Vibração é um estímulo mecânico caracterizado por movimento vibratório no qual a intensidade varia de acordo com a frequência, amplitude e magnitude do movimento gerado. Existem diversas formas de ondas provocadas pelo movimento, como as ondas senoidais, transitórias e estacionárias (figura 1). 

Figura 1: formas de ondas provocadas pelo movimento.

Os protocolos de exercícios utilizando plataformas vibratórias podem ser manipulados por meio da escolha da amplitude, da frequência de vibração e do tempo do estímulo, ou seja, a intensidade do treinamento.

Além disso, o treinamento pode ter a progressão da intensidade do estímulo vibratório modificando-se o número de séries realizadas em uma sessão, o tempo do estímulo vibratório e do intervalo entre as séries, a frequência de treinamento semanal e a duração total do programa de treinamento. Todas estas variações e progressões no treinamento dependem não só do objetivo do treinamento, como também do nível de condicionamento dos indivíduos e da população em que será aplicado.

A vibração produzida por essas plataformas é uma combinação mecânica que pode ser definida por algumas variáveis de vibração:   

  1. Amplitude
  2. Frequência
  3. Tempo de trabalho geral
  4. Tempo de descanso entre as séries

Amplitude

Distância percorrida pela vibração em cada ciclo (de mm). Alguns autores expressam como a distância total (pico a pico), mas normalmente em plataformas a vibração é indicada como meio/pico – sem padronização (figura 2).

Figura 2- amplitude de deslocamento da Plataforma Vibratória

Em dois estudos realizados pelos mesmos investigadores, idênticos em tudo, exceto na amplitude de vibração, os resultados obtidos foram muito diferentes. Um deles, usando 1 milímetro de amplitude, não produziu qualquer mudança no desempenho neuromuscular. O outro, usando 4 mm, gerou a obtenção de um aumento na contração voluntária máxima isométrica e na força de salto (Bosco, 2000).

Frequência

A frequência é definida como o número de ciclos por unidade de tempo, normalmente expressa na unidade hertz (Hz) ou ciclos por segundo. Em geral, o uso de frequências de vibração permanece abaixo de 50 Hz; vários autores sugerem o intervalo mais efetivo entre 25 e 45 Hz (figura 3).

Figura 3: Frequência e amplitude da Plataforma Vibratória.

Figura 3: Frequência e amplitude da Plataforma Vibratória.

CUIDADO – cada parte do corpo humano tem uma frequência própria, uma frequência de ressonância com valores aproximados.

KOMI (2006) cita os olhos (20 Hz), cabeça (18 Hz), órgãos internos (8 Hz) e músculos (7-15 Hz).

Quando a frequência da vibração coincide com a frequência natural do sistema, pode ocorrer uma ressonância no corpo humano submetendo-o a oscilações perigosas que podem inclusive causar danos e desconfortos (RAO, 1986; SILVA, 2004).

Tempo de Aplicação do Estímulo Vibratório

Após 1 minuto de série vibracional, já foi obtido aumento da força muscular; quando o estímulo foi prolongado, ou seja, com exposições atingindo 5 a 6 minutos ininterruptos, obteve-se justamente o contrário: uma diminuição de desempenho neuromuscular.

O protocolo de exercícios inclui o tipo de exercício (exercícios dinâmicos parecem ser mais efetivos para produzir melhorias na força do músculo), o número de sessões semanais e a duração de cada sessão. Os períodos de repouso e frequência de treinamento são de extrema importância.

Postura corporal (posição do corpo) é outro fator que influencia na transmissão de vibrações em diferentes sítios anatômicos.

A respeito da postura mais adequada para adotar-se sobre uma plataforma vibratória, estudos indicam que deve haver algum grau de flexão de joelhos, e consequentemente o quadril e os tornozelos também serão ligeiramente flexionados.

O peso corporal deve ser depositado sobre o antepé, evitando a aplicação dos estímulos mecânicos diretamente sob os calcanhares. Ambas as técnicas promovem uma redução da magnitude vibratória transmitida para os segmentos do tronco e da cabeça, e garantem maior segurança (figura 4).

Figura 4- postura correta na utilização da Plataforma Vibratória.

Figura 4- postura correta na utilização da Plataforma Vibratória.

De acordo com Abercromby et al. (2007), a magnitude das vibrações mecânicas que alcançam o tronco e a cabeça pode ser reduzida por meio da flexão dos joelhos, chegando à metade de sua magnitude quando o ângulo de flexão é de 26 a 30º.

Ângulos de flexão próximos a 90º, porém, podem inibir os efeitos desejados para o treinamento, não ativando os músculos do quadríceps e os ísquios-tibiais.

Lafortune (1996) acrescenta ainda que a distribuição do peso corporal sobre o antepé pode ajudar a evitar o fenômeno de ressonância, uma vez que estimula a ativação do músculo tríceps sural e, consequentemente, otimiza o amortecimento das vibrações.

Além de propiciar uma posição mais estável sobre a plataforma, permite uma redução da transmissibilidade vibratória para o tronco e a cabeça, evitando assim o surgimento de cefaleias, entre outros sintomas de desconforto corporal.

Tipos de Plataformas 

Para aplicar a estimulação mecânica através de uma plataforma vibratória existem vários aparelhos no mercado, mas distintos especialmente na forma de aplicação do estímulo. Alguns aplicam a vibração vertical, enquanto outros aplicam a vibração horizontal; há ainda um terceiro tipo caracterizado na figura B, chamado de recíprocas ou oscilatórias (figura 5).

Figura 5- Tipos de Plataformas

Figura 5- Tipos de Plataformas

A plataforma vibratória vertical possibilita a realização de exercícios, por exemplo, em posição deitada sobre o aparelho (que a oscilação da plataforma oscilatória não permite), ou através da utilização de diversos acessórios, que permitem trabalhar significativa e eficientemente todas as partes do corpo de forma genérica ou localizada (Bosco, 1998).

Raimundo (2006), em sua tese de doutorado, ressalta que em sua revisão da literatura há falta de pesquisas e o baixo resultado das plataformas puramente recíprocas (oscilatórias). Ressaltando que essa falta de conhecimento é especialmente significativa no estudo das pessoas adultas ou idosas.